top of page
Sem nome (1820 x 502 px) (1820 x 701 px) (1820 x 804 px) (1820 x 1046 px) (1817 x 1232 px)

Se deseja mais detalhes sobre esse assunto, fique à vontade para nos enviar uma mensagem.

QR CODE Jair Rabelo.png


Aceitar ou não aceitar imóveis em construção como pagamento de dívida?





Se você está considerando aceitar imóveis em construção como pagamento de uma dívida ou aceitá-los em permuta, é importante ter cuidado redobrado com o seu contrato.


Antes de iniciar as negociações, é altamente recomendado a contratação de um advogado imobiliário para fazer uma análise completa da unidade em construção e da própria incorporadora/construtora que a está construindo. Somente assim poderá prever possíveis problemas na entrega da unidade pronta. Essa auditoria é chamada de due diligence imobiliária.


Após a análise completa da documentação imobiliária, o próximo passo é a elaboração do contrato adequado para o seu negócio. Muitas vezes, as pessoas optam por modelos prontos da internet que não garantem a segurança necessária para o seu negócio. Usar um contrato simples pode resultar em prejuízos financeiros significativos para qualquer uma das partes. Por isso, é importante contratar um advogado especializado em negócios imobiliários para elaborar o seu contrato e estruturar o negócio que você pretende.


Para ilustrar a importância disso, vamos dar um exemplo: Suponha que, sem realizar qualquer análise de documentação imobiliária, José tenha vendido o seu imóvel de R$1.000.000,00 para Carlos, sendo que R$ 500.000,00 deveria ser pago mediante a entrega de dois apartamentos, que ainda estão em construção, e o restante seria pago na data da assinatura da escritura de compra e venda. Todo o combinado foi escrito em um instrumento particular de compromisso de compra e venda, cujo modelo foi tirado de um site qualquer. Para cumprir com uma parte do pagamento, os direitos que o comprador Carlos tem sobre os dois apartamentos foram cedidos à José por meio de um outro instrumento particular, o contrato de cessão de direitos, cujo modelo também foi facilmente encontrado na internet. Agora, suponha que passou um certo tempo e as duas unidades em construção não tenham sido concluídas no prazo contratual e nem existe a possibilidade de a construtora finalizar as obras. E agora? Quem vai ter que correr atrás da conclusão dessas obras? José ou Carlos?


No exemplo narrado acima, as cláusulas do compromisso de compra e venda relacionadas ao “PAGAMENTO” foram mal redigidas, dando a entender que Carlos já pagou R$ 500.000,00 ao ceder seus direitos sobre os apartamentos em construção à José, pois, uma cláusula prevê que assinada a cessão de direitos sobre as unidades, José assumiria os riscos da não conclusão da obra e ou atraso. Entenda: apesar de ser comum encontrar contratos com esta cláusula, não é dessa forma que esse tipo de negócio deve ser estruturado.


De uma forma bem resumida, podemos dizer que existem duas hipóteses de cessão: pro soluto e pro solvendo. A cessão celebrada entre José e Carlos foi a pro soluto, ou seja, Carlos não se obrigou a garantir a entrega das unidades à José, pois a sua obrigação de pagar R$ 500.000,00 foi concluída ao ceder seus direitos sobre os apartamentos, quando assinou o contrato de cessão e foi substituído no contrato que havia firmado com a construtora. Se fosse pro solvendo, Carlos ficaria obrigado a garantir o pagamento de José caso a construtora não entregasse as unidades prontas.


A regra geral da cessão é a pro solvendo. A cessão entre José e Carlos foi considerada pro soluto pois existe previsão expressa nesse sentido no contrato deles. Contudo, os erros na estruturação do negócio não pararam por aí: faltou o consentimento da construtora nesse contrato.


Como José e Carlos não são advogados imobiliários, e não conhecem as regras desse tipo de contrato, a cessão assinada por eles tem características de uma cessão pro soluto, mas não tem a assinatura da construtora (comum de encontrar esse tipo de contrato no dia a dia). Só que sem a anuência da construtora não é possível transferir para José os riscos do contrato que foi celebrado entre Carlos e a construtora. Isso quer dizer que, se a construtora não assinou o contrato de cessão, Carlos não foi liberado dos efeitos do contrato, sendo exclusivamente sua a expectativa de receber as unidades prontas.


Tendo características de uma cessão pro soluto mas sem a assinatura da construtora, o caso de José e Carlos só poderá ser resolvido pelo Poder Judiciário, já que cada um deles tem seu próprio interesse. Após arcar com grandes despesas de honorários e custas judiciais, muito mais elevadas que os honorários para elaboração de um contrato, um juiz analisará o compromisso de compra e venda e a cessão de direitos para entender a finalidade de sua quitação. No nosso exemplo, se a cláusulas relacionadas ao “PAGAMENTO” preveem a promessa de dois apartamentos prontos e acabados como parte do pagamento e estes não foram concluídos pela construtora, é óbvio que não houve e não haverá pagamento pela entrega das unidades, havendo um claro inadimplemento contratual por parte de Carlos. Nesse caso, interpretar o contrato de forma diversa seria o mesmo que dizer que José aceitou como parte de pagamento um monte de entulho em cima de um terreno.


Em resumo, no nosso exemplo, a falta de consentimento da construtora implicou na manutenção do vínculo original do contrato entre ela e Carlos, impossibilitando a transferência de obrigações e responsabilidades para José, mas isso não impediu que José tivesse que perder tempo e arcar com altos custos de honorários e despesas judiciais para provar a permanência desse vínculo, tudo por conta de um contrato mal feito.


Então, a resposta da pergunta posta no título é: depende. Depende do resultado da due diligence imobiliária. Somente o advogado contratado para analisar e estruturar o seu negócio será capaz de dizer se aceitar imóveis em construção como pagamento será arriscado ou não. Assim, para evitar problemas e gastos desnecessários, é essencial contratar um advogado imobiliário para elaborar um contrato que contenha todas as cláusulas necessárias e proteja seus interesses. Não se arrisque a assinar um contrato mal redigido feito por quem não entende do assunto.



Quer ler um caso real similar ao exemplo que foi dado?

Commentaires


bottom of page