top of page
Sem nome (1820 x 502 px) (1820 x 701 px) (1820 x 804 px) (1820 x 1046 px) (1817 x 1232 px)

Se deseja mais detalhes sobre esse assunto, fique à vontade para nos enviar uma mensagem.

QR CODE Jair Rabelo.png


A doação do bem de família de um devedor pode ser classificada como fraude contra credores?




A doação de um bem de família por parte de um devedor pode ser considerada fraude contra credores, dependendo das circunstâncias específicas de cada situação.


De acordo com o Código Civil, doações feitas por alguém sem recursos para quitar suas dívidas podem ser anuladas pelos credores (art. 158). Portanto, se a doação deixa o devedor sem recursos para quitar suas dívidas, essa doação pode ser considerada fraude contra credores e ser anulada.


O instituto da fraude contra credores se fundamenta no princípio fundamental de que o patrimônio do devedor deve ser responsável pelo pagamento de suas dívidas.


Por outro lado, é importante destacar que um bem de família é considerado impenhorável, ou seja, em circunstâncias normais, um credor não pode utilizá-lo para quitar uma dívida. Essa proteção legal da impenhorabilidade do bem de família tem como objetivo preservar o patrimônio mínimo da pessoa, um valor que o legislador optou por proteger, mesmo que isso signifique não satisfazer imediatamente as reivindicações do credor.


A princípio, pode-se pensar que se o imóvel já era impenhorável antes da doação, ele manteria essa característica caso a doação fosse anulada e o imóvel retornasse ao patrimônio do devedor doador. Portanto, a doação de um bem da família não faria diferença para o credor, uma vez que o imóvel não poderia ser penhorado, independentemente de ter sido doado ou não.


No entanto, a situação não é tão simples. Se a doação do imóvel caracterizar uma mudança na característica de bem de família do imóvel, o devedor pode perder o benefício da impenhorabilidade. Vamos a um exemplo: se o único imóvel do devedor for doado para seus filhos e continuar sendo usado da mesma forma que antes da doação, ou seja, como moradia da família do devedor, a característica de bem de família permanece intacta. Nesse caso, a anulação da doação não traria nenhum benefício ao credor, uma vez que o imóvel ainda seria impenhorável se voltasse ao patrimônio do devedor.


A situação é distinta quando o imóvel é doado a um terceiro. Se o imóvel foi doado a terceiro, significa que ele não serve mais de moradia ao devedor e sua família. Dessa forma, quando o devedor insolvente retira o imóvel de sua família e o transfere a terceiros, a fraude se configura, podendo a doação ser anulada. Nesse contexto, ocorre a mudança do propósito do imóvel, que deixa de servir como residência da família ao ser doado à terceiro. Como resultado, após o reconhecimento da fraude contra credores, o imóvel retorna ao patrimônio do devedor sem a proteção da impenhorabilidade.


Essa orientação está fundamentada no princípio de que, em geral, quando o devedor aliena, seja por doação ou venda, o único imóvel onde ele e sua família residem, ele está, de fato, abrindo mão da proteção legal desse bem. Isso ocorre porque seu comportamento demonstra que o imóvel não é mais utilizado para moradia ou sustento da família. Portanto, ao realizar tal alienação, o devedor compromete a impenhorabilidade do bem, uma vez que ele não mais cumpre sua função primordial como residência da família.


Concluindo o tema, podemos afirmar que a determinação da existência de fraude contra credores ou fraude à execução depende da análise de dois principais fatores: a alteração na destinação original do imóvel, que é a moradia da família, e a possível ocorrência de desvio do proveito econômico da alienação em detrimento do credor (prejuízo ao credor). Na ausência desses requisitos, não há fundamentos para alegar que a alienação foi fraudulenta.


Quando se trata de fraude contra credores, a diferença entre a legalidade e ilegalidade da alienação de um bem é sutil. Cada caso é único, com requisitos específicos. A solução? Um advogado imobiliário. Confie na expertise que pode proteger seu patrimônio.

Comments


bottom of page